Pestana Palace Lisboa e Pestana Cidadela Cascais, história à mesa

Pestana Palace Lisboa e Pestana Cidadela Cascais, história à mesa

Pestana Palace © ffmag

Com distinções internacionais e nacionais, a excelência da marca Pestana tem vindo a ser reforçada, a qualidade do serviço prestado aos hóspedes e o e profissionalismo das equipas é elemento diferenciador tanto no Pestana Palace Lisboa como no Pestana Cidadela Cascais. O posicionamento de liderança em Portugal e a afirmação nos mercados globais é já uma realidade e a aposta na gastronomia portuguesa faz parte desta receita. 


Pestana Palace Lisboa

O Pestana Palace Lisboa está integrado na marca Pestana Palace Collection Hotels que é considerado um segmento muito exclusivo do Grupo Pestana. Falamos de um hotel icónico, único, enquadrado num ambiente palaciano e numa experiência integrada com um Jardim que está classificado como património nacional juntamente com o próprio palácio que é considerado Monumento Nacional.

“Todas as salas têm uma história”

“Aquilo que procuramos oferecer ao cliente é o luxo do tempo, ou seja, fazê-los sentir que há uma pausa e que quem está no Hotel está disposto a oferecer uma experiência perfeita” diz a diretora do Grupo, Joana Soeiro, ressalvando que isso passa por garantir um serviço de entrega e de alojamento irrepreensível, com experiências de gastronomia e restauração. Remontando à história, o palácio foi adquirido em 1992 pelo Grupo Pestana, passando a partir de então por obras de restauro e adaptação. Duas novas alas foram erguidas para abrigar os quartos, com decoração de época, de influência francesa, revestimentos de mármore, afrescos nos tetos e janelas com grandes vitrais.

Das várias experiências abertas ao público, o Pestana Palace Hotel quer fazer diferente. Sabendo que as pessoas apreciam ter um momento que seja só delas, foi criado um conceito para personalizar o produto. A ideia é ter uma sala privada e exclusiva com uma oferta tão variada que pode ir desde uma prova de vinhos ou uma mesa de queijos a uma cataplana de peixe ou um prato mais elaborado. Um momento que se pretende ser só do cliente e para o cliente. O público é relativo, pode ser um almoço de negócios restrito ou uma família que está em Portugal e quer provar alguns vinhos, ou mesmo um pedido de noivado… as salas adaptam-se a cada momento. Uma das mais-valias desta opção, é que os espaços estão recriados com a história do passado e a nova sala que vai ser inaugurada para este efeito era o escritório do Marquês, tentando dignificar a memória do mesmo.

“Cozinhar é uma história vivida, saboreada e sentida, sentir o que estou a fazer e servir”

 A cozinha velha, que era a antiga cozinha do Palácio, com uma mesa em mármore, é um lugar de história onde o chef entra na cozinha e confecciona os pratos ali mesmo. Falamos de um espaço que foi escolhido para ser a sala de jantar da Madonna durante meio ano e onde a cantora fazia todas as suas refeições.

Restaurante Pestana Palace. Lisboa

Pestana Palace © Pestana Group

Da história para a mesa, o Chef Pedro Marques do Pestana Palace Lisboa começa por confessar: “Todas as vezes que entro lá, sinto o peso e a responsabilidade de fazer o meu melhor e dar o melhor”. A cozinha é descrita como sendo tradicionalmente portuguesa e usando os bons produtos que temos em Portugal, o mar que é riquíssimo, as carnes nacionais de excelência e uma recriação de pratos com excelência. Há 10 anos ao comando da culinária, o chef Pedro recorda que cada dia é um dia, há um enriquecimento e uma cultura que se consegue passar através da comida. 

“A experiência é entregar aquilo que o cliente quer em termos gastronómicos sempre com a história como pano de fundo e isso é um conceito muito importante”

A gastronomia tradicional portuguesa impera. A cozinha do Valle Flor encontra os melhores produtos, respeita a origem, a estação e a altura do ano em que estes devem ser consumidos. Mas não fica por aqui. Há também história internacional, há sushi que nos remete para o Japão ou o brunch ao domingo com aperitivos alternativos. Ainda há mais, foi implementada uma experiência que nos transporta para o conceito de barbecue, chama-se “chiquenique”, e é onde os amantes da gastronomia nacional podem desfrutar, no sentido literal da palavra, das receitas do Chef Pedro Marques que reforça: “O cliente pode ter uma refeição mais descontraída, estando em lazer mas também pode ter uma refeição requintada, acho que ali conseguimos ir ao pormenor daquilo que o cliente quer”. 


Pestana Cidadela Cascais

Este hotel distingue-se dos demais por ser uma requalificação arquitetónica do que terá sido uma fortaleza da proteção da costa num edifício que mais tarde foi um quartel militar.  Tem 8 anos é é um projeto que pretende criar é uma experiência imersiva dentro de uma fortaleza trazendo vários valores. Vive fechado nele próprio como a própria palavra cidadela indica, estamos diante de uma pequena cidade que se desenvolve dentro de uma fortaleza.

Em termos de restauração e porque somos o que comemos, o chef Manuel Alexandre, fala de uma taberna onde a comida tradicional portuguesa é servida em forma de petiscos. Da patanisca ao ovo com espargos ou mesmo às famosas cascas de batata, “nós aproveitamos a casca da batata cozida” realça o chef, sendo esta uma inspiração que terá ressurgido da época dos militares. É um restaurante muito cómodo para grupos, famílias, acolhedor e Manuel Alexandre não esconde: “sinto um calor forte naquele restaurante porque cada sala tem a sua história, temos a dos livros, a das assinaturas, a das malas e a do comboio, cada uma passa uma mensagem”. 

“A ideia é mesmo fazer uma tasca onde a comida traz conforto e felicidade e mostrar Portugal à mesa com cunho literário da história”

Favas com enchidos, bacalhau à brás, sempre servidos em pratos ou louça tradicional faz desta Taberna a mais apetecida não só por estrangeiros, mas também por muitos cascalenses. “Aquilo é um restaurante de amigos onde eles podem petiscar enquanto conversam” assegura o chef. A cozinha no cidadela pretende criar maior proximidade com o público e o que vai para a mesa vai com requinte, seja um arroz de peixe, ou um polvo à lagareiro “temos um grande amor pela comida e temos de passar isso ao nosso cliente” refere Manuel. 

“Para mim cozinhar é ter uma paixão pelo produto e transformá-lo muito mais do que numa lenda”


Fusão entre livros e comida

Este ano há uma novidade, o Grupo Pestana acabou de lançar uma loja de Natal com uma carta de gastronomia associada num novo conceito dentro do Hotel. Será um espaço que faz a ligação da comida com livros, que permite ter salas privadas com experiências gastronómicas rodeadas por literatura. Muitas vezes, o próprio chef admite tirar ideias dos livros que lê para inovar a ementa… encontramos desde contos literários de Natal a pratos típicos de Natal que são contados à mesa e, quem visita, pode ler a história e depois experimentar o prato tal como está descrito no livro.

Pestana Palace

Pestana Palace © Pestana Group

You May Also Like

Post

Rei da China e Casa dos Prazeres: 2 novos restaurantes do José Avillez e Estanis Carenzo

Post

Cabazes de Natal para todos os gostos

Post

Celebra o Dia de São Valentim no Restaurante Pesca

Post

Paulo Amado, o Pai dos chefs portugueses

Post

Chef Agnaldo Ferreira, Gaveta de sabores japoneses