Chef Mimi: «A importância da mulher na cozinha é muito grande»

Chef Mimi do restaurante Kais, Lisboa

Chef Mimi © ffmag

Conhecida no panorama gastronómico lisboeta como “chef Mimi”, aos 75 anos, Licia Mimi Silva é uma autoridade na cozinha. Mais de 19 anos à frente das cozinhas do Grupo K converteram Mimi numa mulher mais do que habituada a mover-se com confiança num mundo “de homens”. E, apesar da sua idade, a chef do restaurante “Kais” ainda tem alguns trunfos na manga para surpreender os seus comensais. E muitos planos pendentes antes de abandonar a cozinha. Como escrever a sua autobiografia ou criar um menu a quatro mãos com a colaboração de outra chef. O segredo da sua cozinha está, como ela própria explica, «em dedicar-lhe muito amor».


 

Entrevista com chef Mimi do restaurante Kais

Como começou a sua carreira?
«Eu era cabeleireira em Genebra (Suíça) e o meu marido tinha uma empresa de verduras e frutas. Comecei a conhecer os melhores chefs da cidade porque esta empresa abastecia os melhores restaurantes de Genebra. Um deles era meu amigo íntimo e deu-me a oportunidade de praticar no seu restaurante durante dois dias por semana. Passado um ano, deixei o meu trabalho para me dedicar a tempo inteiro à cozinha. Trabalhei aí durante sete anos. Entretanto, a minha vida pessoal sofreu uma reviravolta e regressei a Portugal para começar a trabalhar aqui. Comecei na restauração em Sintra. Fiquei lá 11 anos e depois o Grupo “K” veio buscar-me para gerir a parte gastronómica. E até hoje… já estou neste grupo há 19 anos.»

Como definiria a sua cozinha?
«É uma cozinha de amor. Dedico muito amor ao meu trabalho e só assim consigo fazer grandes coisas. Mesmo trabalhando com produtos que não são os melhores, com amor e dedicação podemos fazer coisas fantásticas.»

Restaurante Kais

Restaurante Kais © ffmag

O que espera do futuro?
«Nos próximos anos espero continuar a trabalhar e escrever um livro sobre a minha vida, porque tenho muito que contar. Antes de me reformar, gostava de realizar um grande evento no restaurante “Kais” com a colaboração de outra chef. Já tenho 75 anos, já não sou jovem, mas o meu sonho é fazer este jantar especial com um menu “a quatro mãos”».

Com amor e dedicação podemos fazer coisas fantásticas

Qual é o seu produto fetiche?
«O peixe. Gosto muito de todo o tipo de peixe, mas em especial da raia. Também gosto de muitos peixes que não são tão nobres, ou tão conhecidos. Gosto de trabalhar estes produtos para conseguir um resultado no prato que surpreenda os comensais »

Como vê o atual papel da mulher na cozinha?
«A importância da mulher na cozinha é muito grande. Não quero desvalorizar nem desconsiderar o valor dos homens na mesma, mas ter mulheres na cozinha representa o equilíbrio. Não somos melhores nem piores, mas a nossa presença equilibra. As mulheres são mais delicadas e minuciosas, não falam tanto durante o trabalho… por isso acho que ajudamos a equilibrar perfeitamente as equipas com homens na cozinha.»

Qualquer pessoa que trabalhe em cozinha teve de renunciar a muitas coisas. E isso nota-se mais no caso das mulheres

Teve de renunciar a muitas coisas na sua vida pessoal pelo trabalho?
«Qualquer pessoa que trabalhe em cozinha teve de renunciar a muitas coisas. E isso nota-se mais no caso das mulheres. A família é uma dessas coisas. Mas eu adoro a cozinha, é a minha autêntica paixão e faço tudo com muito amor.»

Restaurante Kais

Restaurante Kais © Grupo Kais