António Alexandre, a era da gastronomia sustentável

António Alexandre

António Alexandre © ffmag

«Nestes tempos de grande abundância para muitos, quando podemos cada vez mais escolher aquilo que comemos, nós, a nossa família ou os nossos clientes, influímos cada vez mais na construção e na manutenção das paisagens que nos rodeiam».

Para além de ser um dos mais afamados chefs de Portugal, António Alexandre é um dos principais defensores da gastronomia sustentável: causa à qual dedica grande parte do seu tempo através da sua participação em diversos eventos, formações ou escrita de livros como “Do mar ao prato”. É movido por um único objetivo: educar a população acerca do grande impacto que a humanidade tem na sustentabilidade do nosso ambiente.

30 anos de carreira nacional e internacional como chef executivo de alguns dos melhores restaurantes do mundo conferem a António Alexandre uma dilatada experiência e um profundo conhecimento do panorama gastronómico atual, tanto dentro como fora de Portugal. Define a sua cozinha como uma experiência criada à base de texturas, emoções, contrastes e paixões, que tem os seus cimentos na química intensa que surge ao contar uma história tradicional ou contemporânea, ou ao partilhar uma série de experiências. Todas as suas criações são fortemente influenciadas pelos produtos portugueses, convidando aqueles que degustam os seus pratos a percorrer as diferentes regiões de Portugal através dos seus sabores mais emblemáticos.

Restaurante de EPNazaré Escola Proffisional. António Alexandre

EPNazaré Escola Proffisional © António Alexandre

Considera-se um autêntico amante da natureza e dos produtos que esta nos proporciona e que, como diz, «enchem a nossa vida de sentido, energia, cores e sabores». Se existe algo verdadeiramente curioso na sua trajetória é o seu especial empenho por destacar o verdadeiro valor das matérias-primas portuguesas e a sua relação com a conservação da paisagem. Para o chef, «a cozinha deve ser simples, mas intensa, respeitando os produtos, as suas épocas e origens». Adora contemplar os produtos na sua essência e praticar uma «cozinha de improvisação», partindo daquilo com que a natureza o brinda em cada momento, valorizando produtos pouco utilizados e o trabalho dos pequenos produtores, para ajudar, desta forma, a dinamizar as economias locais.

A cozinha deve ser simples, mas intensa, respeitando os produtos, as suas épocas e origens

Essa devoção levou-o, com o decorrer dos anos, a envolver-se em todo o tipo de ações, partilhando a sua visão, a sua paixão e o seu ponto de vista sobre o mundo culinário atual. Convencido de que «dar de comer a quem tem fome é, ao mesmo tempo, construir paisagens, moldar ladeiras, canalizar águas e estender terras», tanto na teoria como na prática, Alexandre foi precursor de uma multitude de eventos e formações para demonstrar que, ao contrário de outros tempos de escassez, nas últimas décadas, é cada vez mais fácil produzir tudo aquilo que consumimos e reduzir aquilo que desperdiçamos.

Dar de comer a quem tem fome é, ao mesmo tempo, construir paisagens, moldar ladeiras, canalizar águas e estender terras

Ao longo destes 30 anos como cozinheiro profissional, Alexandre desafiou outras pessoas para partilhar a sua paixão, em eventos gastronómicos tanto para profissionais como para o público em geral, sempre com a preocupação de difundir iniciativas para melhorar a nutrição, recorrendo aos produtos locais de cada época do ano: mais saborosos, mais frescos e mais saudáveis. Tem vários livros editados e outros tantos em fase de lançamento. Com todos eles, pretende ajudar as pessoas a terem um impacto positivo na paisagem, através da sua forma de vida e da sua maneira de se alimentarem no seu dia-a-dia. Com esta filosofia de vida, António Alexandre pretende desfrutar de cada paisagem que nos rodeia, consumindo cada vez menos quantidade, mas melhor qualidade, reduzindo o impacto na natureza de uma forma natural, adotando outras filosofias alimentares e ajustando as nossas rotinas para ter um futuro melhor, reduzindo ao máximo os desperdícios.

Bacalhau tinto nas urtigas. António Alexandre

Bacalhau tinto nas urtigas © António Alexandre

O seu dinamismo na inovação e nas técnicas que emprega na sua cozinha, bem como a constante procura de novos sabores, são também o eixo de diversos projetos pessoais que o chef leva a cabo na área da consultoria, com o intuito de valorizar produtos dos mais variados, tanto do mar como da terra. E não é algo de novo. Confessa que sempre foi um apaixonado pela cozinha de produto, tanto pela sua origem como pela sua autenticidade. A sua vocação por aprender de quem melhor conhece cada produto levou-o a realizar uma série de viagens culinárias por Portugal e pelo estrangeiro.

A sua vocação por aprender de quem melhor conhece cada produto levou-o a realizar uma série de viagens culinárias por Portugal e pelo estrangeiro

Nasceu no seio de uma família com ampla tradição na produção agrícola, pelo que, desde muito jovem, teve acesso aos melhores produtos que o seu meio produzia e comercializava, bem como a toda uma experiência culinária que a sua mãe e a sua avó partilhavam nas suas reuniões familiares. Cresceu sem sequer se aperceber de que a cozinha também crescia dentro dele. Recorda os seus primeiros passos nos fogões, à tenra idade de sete anos, acompanhado pelos seus irmãos. Depressa decidiu começar a cozinhar de forma profissional, combinando o trabalho com a prossecução dos seus estudos. Desde muito jovem, trabalhou em restaurantes e hotéis na Nazaré e em Fátima e, quando surgiu a oportunidade de viajar para Espanha, não teve de pensar duas vezes.

Ao longo destas três décadas de experiência, destaca-se a sua passagem por lugares tão emblemáticos como o ”Alfama” em Colónia (Alemanha), a “Fortaleza do Guincho” (Cascais), o “Palácio Belmonte”, o restaurante “Terreiro do Paço”, o Hotel “Aviz”, o “Bica do Sapato” (Lisboa) ou o “Sesimbra hotel & Spa” (Sesimbra), entre muitos outros. Além disso, o seu dinamismo na inovação das técnicas que utiliza, bem como a constante procura de novos sabores, levaram-no também a empreender diversos projetos pessoais na área da consultoria.

Doces e picantes. António Alexandre

Doces e picantes © António Alexandre